Final Fantasy Wiki
Advertisement
FFVI Relm Arrowny Menu iOS.png Relm: "Eu não podia perder a oportunidade de praticar o meu desenho!"
Este artigo está precisando de algumas imagens. Talvez você possa ajudar fazendo upload de imagens de Sin em Final Fantasy Airborne Brigade.
Vista completa de Sin.
Sin é o nosso castigo por deixar as coisas saírem do controle.
—Wakka

Sin (シン, Shin?) é um dos principais antagonistas em Final Fantasy X. É um monstro gigantesco, parecido com uma baleia, que ameaça o mundo de Spira. Foi assim nomeado pelo povo, que acreditava que a besta veio como forma de punição por seus antepassados terem confiado em machina e tornado-se uma sociedade hedonista. Seguindo os ensinamentos de Yevon, o povo de Spira acredita que um dia seus crimes serão expiados e Sin desaparecerá.

Sin é representado pela letra Z no alfabeto de Yevon. Ela aparece em muitos lugares em Final Fantasy X, às vezes junto com a letra A, o símbolo de Yu Yevon, simbolizando o início e o fim das coisas.

Perfil[]

Aparência[]

Vista completa da forma final de Sin.

Sin possui um corpo parecido com o de uma baleia que se move com um par de braços com garras, bem como patas traseiras semelhantes a barbatanas peitorais para se mover na água. Possui uma cauda longa e seu corpo é coberto por escamas que podem ser desprendidas e transformadas em pequenos monstros chamados de Sinscales. Ele carrega parte de uma cidade, presumidamente Zanarkand, próximo a parte traseira de sua cabeça. A forma final de Sin possui asas com pontas roxas.

Habilidades[]

Alerta de spoiler: Detalhes sobre a história a seguir. (Pular seção)

De acordo com Final Fantasy X Scenario Ultimania o corpo de Sin é composto por pyreflies, o que significa que não é diferente de um demônio comum. No entanto, Sin utiliza pyreflies para repor sua força sempre que atacado, e, portanto, ataques convencionais não podem derrotá-lo. De acordo com o Final Fantasy X Ultimania Omega, seu corpo é o resultado de magia gravitacional usada para atrair mais pyreflies na atmosfera, e comprimi-las densamente. Sin pode regenerar as partes separadas de seu próprio corpo, conhecidas como Sinspawn, de forma mais eficiente utilizando pyreflies que já foram condensadas ao invés das pyreflies recém-absorvidas que circulam na áreas ao seu redor.[1]

Sin ataca.

As capacidades destrutivas de Sin são tremendas, pois pode controlar as forças gravitacionais e, dessa forma, voar. As pessoas que o tocam são, às vezes, levadas, ilesas, a lugares remotos. Isso acontece porque o corpo de Sin é maleável e pode sugar e expelir aqueles que o tocam. As pessoas que se aproximam dele podem ficar confusas e experimentar alucinações. Isso é conhecido como "ser afetado pela toxina de Sin", mas a verdadeira razão é que a alta densidade de pyreflies que formam seu corpo tem um efeito adverso sobre a baixa densidade de pyreflies presente nos corpos daqueles que se aproximam dele.

Sin é imune à maioria das formas convencionais de armamento e é altamente resistente a ataques, sendo capaz de projetar uma barreira para se proteger. As pessoas de Spira acreditam que somente o Aeon Final pode matar Sin, e todos os ataques usados contra ele pelo grupo em Final Fantasy X só serviram para feri-lo. O ataque mais comum de Sin é uma enorme explosão de energia a partir da sua boca conhecida como "Giga-Graviton", e é tão poderosa que pode causar abalos sísmicos visíveis do espaço sideral. As outras partes do seu corpo também são capazes de usar ataques de gravidade, mas em menor intensidade. Sin tem uma certa afinidade com a água, e muitas vezes pode ser encontrado espreitando em tal ambiente. Pode se misturar, absorver e usar a água como uma arma.

Não se sabe se as habilidades de Sin mudam dependendo de qual Aeon final seu núcleo é formado. Está implícito que o Sin da Calmaria pós Braska nunca atingiu sua força máxima, já que o Aeon Final em seu núcleo ainda exercia alguma influência sobre ele, sendo tomado lentamente por Yu Yevon.

História[]

Final Fantasy X[]

Sin nas ruínas de Zanarkand.

Sin foi criado durante a Guerra Machina entre Bevelle e Zanarkand há mil anos. Bevelle confiou em machina para as armas e Zanarkand usou invocadores. Quando Zanarkand estava prestes a perder, Yu Yevon, um Invocador de Zanarkand, e também seu líder, concebeu um plano para derrotar Bevelle e preservar sua cidade para sempre. Yu Yevon reuniu os sobreviventes da cidade e transformou-os em fayth como canais para uma imensa invocação que criou uma versão espectral de Zanarkand a partir dos sonhos de seus antigos habitantes.

Yu Yevon estabeleceu essa Zanarkand dos sonhos em algum lugar no oceano e, em seguida, atraiu pyreflies para si mesmo para criar o primeiro Sin. Este foi o único Sin que nunca teve um aeon em seu núcleo. Foi-lhe dado três objetivos: proteger a invocação de Zanarkand, garantir que não fosse descoberta e destruir qualquer cidade que crescesse demais ou avançasse demais em tecnologia. A tensão de tentar controlar Sin estava além das forças de Yu Yevon, e o processo acabou por destruir sua mente, impedindo qualquer controle consciente que ele poderia ter tido sobre ele. Sin, então, tornou-se um monstro guiado apenas por seus instintos e indiscriminadamente atacou as civilizações de machina por toda Spira, começando com a verdadeira Zanarkand em si. Yu Yevon foi reduzido a um fantoche que só existia para fazer invocações.

Para permitir que Spira tivesse uma trégua e um esperança de salvação, a filha de Yu Yevon, Yunalesca, apresentou uma forma de destruir Sin: o Aeon Final, um poderoso aeon nascido de um vínculo de amor. Ela sacrificou seu marido, Zaon, para o ritual, ele se tornou o Aeon Final e destruiu Sin, mas a Invocação Final a matou. O espírito de Yu Yevon possuiu o corpo de Zaon, e com o passar do tempo transformou-se em um novo Sin com o Aeon Final de Yunalesca em seu núcleo. Nesse tempo, o novo Sin estava muito fraco para aterrorizar Spira, estabelecendo um período temporário de paz.

Aparentemente, a única capaz de criar o Aeon final, Yunalesca, tornou-se uma não-enviada e permaneceu na Cúpula de Zanarkand para criar um novo Aeon Final para invocadores que completassem sua peregrinação. Como dito na linha do tempo oficial em Final Fantasy X Ultimania Omega, durante a Primeira Calmaria, os sobreviventes começaram a reconstruir Spira, focando em Bevelle. Depois de Yu Yevon ter regenerado Sin, o dilema de Spira começou novamente. A segunda encarnação de Sin destruiu as civilizações de machina restantes e, por isso, o uso de machina foi deixado de lado.

O templo de Yevon foi estabelecido em Bevelle, o qual começou a tradição de homenagear Yevon e Yunalesca; estes ensinamentos, bem como a proibição de machina, foram posteriormente adotados pelo mundo em geral. Aproveitando-se do sentimento público, os templos tomaram o controle de Spira. A nova religião estabeleceu que Sin era uma punição pelos pecados do povo, espalhando a história de que a Calmaria chegaria com a Invocação Final. Os templos transferiram a culpa pelo retorno de Sin para o povo de Spira, e mantiveram a estabilidade incutindo neles a esperança de que, por meio da expiação, Sin desapareceria definitivamente. Na verdade, Yunalesca e os escalões superiores dos templos de Yevon sabiam que Sin sempre retornaria, mas seus ensinamentos davam esperança a Spira e impediam que seus cidadãos caíssem em desespero.

Cerca de 600 anos mais tarde, um invocador chamado Gandof derrotou Sin, dando a forma atual de Calm Lands e isolando o Templo de Remiem, iniciando, assim, a Segunda Calmaria e tornando-se o primeiro sumo invocador. Gandof teve o mesmo destino que Yunalesca e morreu. Isso deu credibilidade aos ensinamentos de Yevon, e as dúvidas sobre os templos diminuíram. Assim como antes, a Calmaria teve vida curta, e Yu Yevon regenerou Sin, sua terceira encarnação, agora com o Aeon Final de Gandof em seu núcleo.

Gandof foi postumamente intitulado "sumo invocador", um título que, a partir de então, seria concedido a todos os que derrotaram Sin. Estátuas dele foram postas nos templos de Yevon e sua história foi contada a todos os cidadãos de Spira como um exemplo de honra e sacrifício a ser seguido. Para derrotar Sin, os invocadores viajariam por uma série de templos, reunindo aeons poderosos em cada um, em preparação para obter o Aeon Final em Zanarkand e enfrentar Sin.

Por centenas de anos este ciclo continuou: os invocadores sairiam em peregrinação para aprimorar suas habilidades à medida que viajavam para as ruínas de Zanarkand, onde encontrariam Yunalesca, que transformaria um de seus guardiões em um novo Aeon Final. O invocador daria a sua vida para destruir Sin com a Invocação Final, e o espírito de Yu Yevon possuiria o Aeon Final para transformá-lo num novo Sin.

Como Sin ataca grandes povoações, as cidades de Spira raramente crescem além de um certo tamanho. A maior cidade de Spira é Bevelle, seguida por Luca, e contramedidas são tomadas para que essas cidades não sejam atacadas por Sin, tendo Crusaders para atrair a atenção de Sin e desviar seu curso.

Sin aparece no Lago Macalania.

Braska, Jecht e Auron são o grupo de invocador e guardiões mais recente a derrotar Sin. Eles percorreram o caminho até Yunalesca e Braska obteve o Aeon Final. Apesar de Braska manter a esperança de que desta vez Sin não retornaria, Auron acreditava no contrário. Jecht, originalmente um cidadão da Dream Zanarkand que, acidentalmente, acabou em Spira, tornou-se o Aeon Final de Braska. Antes disso, ele encarregou Auron de encontrar um caminho para Dream Zanarkand e cuidar de seu filho, Tidus. A Invocação Final matou Braska, e Jecht tornou-se o novo Sin.

Dez anos mais tarde, Jecht, ainda consciente dentro de Sin, mesmo que por muito pouco, o traz para Dream Zanarkand, e ele e Auron levam Tidus para o mundo de Spira. Enquanto Tidus viaja com a filha de Braska, Yuna, como seu guardião, Auron acompanha-os e conta para Tidus sobre Jecht e Braska. Tidus fica sabendo que o espírito de Jecht continua dentro de Sin, e é dito que Jecht quer que ele o mate para libertá-lo de seu destino de aterrorizar o mundo. Eles deparam-se com Sin várias vezes e testemunham a destruição que este traz consigo.

Quando o grupo confronta Yunalesca, ela conta-lhes que o Aeon Final não destruiria Sin permanentemente, mas que Braska escolheu esse caminho para dar esperança ao povo de Spira. Yuna discorda, dizendo que seu pai acreditava que poderia libertar Spira. Acusando a tradição de ser uma falsa esperança, ela se recusa a sacrificar um de seus guardiões. O grupo destrói Yunalesca, e com ela, o caminho para criar um novo Aeon Final.

Sin enfrenta a aeronave.

Agora ciente da existência de Yu Yevon, Tidus sugere uma nova maneira de destruir seu espírito, que está em Sin. O grupo conduz um ataque de larga escala contra Sin com a aeronave Fahrenheit e entra em sua boca. Nas profundezas de Sin, eles encontram uma recriação da Dream Zanarkand em ruínas, onde Jecht os espera. O grupo destrói Jecht em sua forma de Aeon Final e Yu Yevon finalmente aparece.

Yuna invoca seus aeons um por um e Yu Yevon os possui, mas o grupo os derrota. Sem mais aeons para controlar, Yu Yevon torna-se vulnerável e é morto. Yuna executa um envio para que seu espírito possa finalmente descansar. Com a derrota de Yu Yevon, Sin acaba explodindo, dando início à Calmaria Eterna.

Final Fantasy X -Will-[]

O Farplane torna-se instável ao ponto de que evocar alguém fora dele faz os mortos manifestarem-se em Spira. Sin retorna, dando fim à Calmaria Eterna, e Yuna supõe que é o resultado de alguém tê-lo evocado. Ela faz um discurso para uma multidão, anunciando que irá derrotá-lo outra vez.

Os spoilers terminam aqui.

Jogabilidade[]

Interior de Sin[]

O interior de Sin é a dungeon final do jogo. O grupo entra no monstro após penetrar sua armadura, e segue o caminho até seu núcleo, onde enfrentam o Aeon Final de Braska, e, eventualmente, Yu Yevon. Os demônios dentro de Sin são poderosos, mas se o jogador derrotá-los pode ganhar grandes quantidades de AP.

Sinspawn[]

Sin pode criar criaturas menores a partir sua camada externa, as Sinspawn. Tendo uma variedade de formas e níveis de poder, as Sinspawn podem causar problemas para qualquer pessoa que cruze o seu caminho até que Sin chegue e as reabsorva.

  • Sinscales: Sinspawn genérica.
  • Ammes: Uma Sinspawn em forma de anêmona-do-mar.
  • Echuilles: Uma Sinspawn em forma de água-viva.
  • Geneaux: Uma Sinspawn encontrada na entrada do Templo de Kilika, escondida dentro de uma concha.
  • Gui: Uma fusão de várias Sinspawn reunidas pelos Crusaders para a Operação Mi'ihen.
  • Genais: A Sinspawn mais forte de todas, tem a mesma forma que a Geneaux.

Chefe[]

Ver também: Sin (nadadeira), Nadadeira Esquerda, Nadadeira Direita, Sin (núcleo), e Sin (cabeça)

As várias partes do corpo de Sin são enfrentadas várias vezes durante o jogo.

Criação e desenvolvimento[]

Arte de conceito inicial descrevendo um protótipo de Sin.

Sin foi criado para ser uma presença da qual o povo de Spira não pudesse fugir, não importa o quanto tentassem. O diretor Yoshinori Kitase o criou para representar os tipos de desastres naturais que existem no mundo real, como terremotos e tufões.[2] Spira tem os ensinamentos de Yevon, que dão sentido à vida das pessoas em face da morte, então o que Kitase realmente tentou mostrar em Final Fantasy X, foi como as pessoas se comportam frente a um destino inevitável.[3] Ter ruínas como parte da forma física de Sin ajudou a concretizar visualmente a ideia de um "monstro inimaginavelmente antigo em uma escala sem precedentes". A forma física de Sin foi modelada semelhantemente a um baleia para dar a impressão do tamanho da criatura, assim como sua inteligência e sobrenaturalidade.[3]

O enredo de Final Fantasy X alude à famosa história japonesa Susanoo e o Yamata-no-Orochi. Susanoo (Tidus) é banido de sua morada nos céus (Dream Zanarkand) e está tentando encontrar um jeito de se redimir e voltar para casa. Ele vem para o mundo mortal (Spira) e depara-se com duas divindades terrenas que estão a lamentar pois têm de sacrificar suas filhas (invocadores) ao maligno Yamato-no-Orochi (Sin), para que este não destrua sua casa. Eles desejam salvar sua oitava filha (Yuna) de ser devorada, então Susanoo elabora um plano que envolve deixar o dragão bêbado com vinho ("Hino do Fayth") e matá-lo durante o seu estado de embriaguez.

"Yamata-no-Orochi" significa literalmente "Grande Serpente de Oito Cabeças". É um lendário dragão japonês de oito cabeças e oito caudas. Inicialmente, as artes de conceito para Final Fantasy X mostram protótipos de Sin com aparência ofídica ou parecidos com um polvo, e com vários membros.

Quando perguntado por que Sin foi trazido de volta em Final Fantasy X -Will-, Kitase comentou que assim como o papel de Sephiroth em Final Fantasy VII, Sin desempenha um papel importante em Final Fantasy X e os desenvolvedores queriam mantê-lo envolvido na história: "Não podemos dizer o que acontece com Sin após o áudio-drama, queríamos deixar algo para a imaginação do jogador."[2]

Outras aparições[]

Final Fantasy Airborne Brigade[]

Por volta de janeiro e fevereiro de 2013, Sin foi um dos adversários disponíveis.[4][5]


Impresario-ffvi-ios.png Esta seção está vazia ou precisa ser expandida. Você pode ajudar a Final Fantasy Wiki expandindo-a.

Final Fantasy Record Keeper[]


Baknamy FFTA2.png
Este artigo ou seção é um esboço sobre um inimigo de Final Fantasy Record Keeper. Você pode ajudar expandindo-o.


Mobius Final Fantasy[]

MFF Sin FFX.jpg


Impresario-ffvi-ios.png Esta seção está vazia ou precisa ser expandida. Você pode ajudar a Final Fantasy Wiki expandindo-a.

Final Fantasy Trading Card Game[]

Sin aparece e é representado por cartas do elemento escuridão. Ele é representado por uma captura de tela de um FMV de Final Fantasy X e uma arte de Yoshitaka Amano.

Galeria[]

Etimologia[]

A palavra inglesa "sin" significa pecado. O termo "pecado" é comumente utilizado no contexto religioso para descrever qualquer desobediência à vontade de Deus; em especial, qualquer desconsideração deliberada de leis divinas. No hebraico e no grego comum, as formas verbais (em hebr. hhatá; em gr. hamartáno) significam "errar", no sentido de errar ou não atingir um alvo, ideal ou padrão. Em latim, o termo é vertido por peccátu.[6]

Curiosidades[]

  • Sin assemelha-se um pouco ao Leviatã, um monstro marinho do Antigo Testamento, e a própria palavra tornou-se sinônimo de qualquer grande monstro marinho, significando no hebraico moderno apenas "baleia". O Leviatã bíblico viveria nas profundezas do oceano infligindo julgamento.
  • Sua aparência também pode ter sido inspirada por Moby Dick, livro de Herman Melville. Moby Dick representa muitas coisas: um Deus insondável e inescrutável ou a encarnação da loucura. Para alguns simboliza o verdadeiro mal ou "uma besta que não fala... que te atacou simplesmente por um instinto cego!"[7] ou um poder que controla e limita a humanidade. Tudo isso pode ser visto em Sin.
  • Apesar de Sin não ter uma aparição direta em ambos Dissidia Final Fantasy e Dissidia 012, foi dada uma referência indireta neste último jogo, quando Yuna luta contra Kefka Palazzo, onde este infantilmente implorará a Yuna que invoque o destruidor.

Referências[]

Advertisement