FANDOM



Final Fantasy V é o quinto jogo da série Final Fantasy produzido pela Square Co., Ltd., originalmente lançado para o Super Famicom no Japão em 1992 e, desde então, foi relançado no Japão e no oeste no PlayStation em 1998, no Game Boy Advance em 2006, no iOS e Android em 2013 e no Microsoft Windows via Steam em 2015. Foi dirigido por Hironobu Sakaguchi, com Yoshitaka Amano fornecendo o design de personagem e Nobuo Uematsu compondo a trilha. Foi a única parcela no Super Nintendo Entertainment System que não foi lançada fora do Japão, com Final Fantasy IV e Final Fantasy VI ambos lançando na América do Norte intitulado Final Fantasy II e Final Fantasy III, respectivamente. Foi o primeiro Final Fantasy a usar kanji no texto, além de hiragana e katakana.

O jogo se passa em um cenário de fantasia medieval, e se concentra em um grupo de quatro estranhos reunidos pelas circunstâncias para salvar os Cristais que misteriosamente começaram a se quebrar. Quem está por trás do fenômeno é o antagonista Exdeath, como parte de um plano para se libertar da prisão e ganhar o poder do Vazio, um reino de nada, que poderia conceder poder absoluto a alguém capaz de resistir a ser absorvido por ele. Os quatro se tornam os Guerreiros da Luz e voltam suas atenções para derrotar Exdeath e impedir que as energias do Vazio consumam seu mundo.

O recurso principal de Final Fantasy V é o sistema de jobs, que permite que cada um dos quatro personagens mude para um das vinte e duas classes e domine suas habilidades e stats. Os quatro podem usar as habilidades de sua classe atual e quaisquer habilidades dominadas que tenham equipado de outras classes. Batalhas são travadas usando o sistema Active Time Battle. Grande parte da estratégia gira em torno de misturar combinações de tarefas ou aprender as habilidades certas de uma classe para usar em combinação com habilidades de outra classe.

Final Fantasy V teve uma grande influência na série. O sistema de classes inspirou jogos posteriores, incluindo Final Fantasy Tactics, Final Fantasy XI e Final Fantasy X-2. Também introduziu muitas convenções na série, como o Blue Mage, e o mini-chefe recorrente na forma de Gilgamesh, que apareceu em muitos jogos desde então. O anime, Final Fantasy: Legend of the Crystals, é uma sequência em OVA de Final Fantasy V, que ocorre duzentos anos após os eventos do jogo.

Jogabilidade Editar

FFV SNES Job Menu

O menu de "Jobs".

A jogabilidade geral é um sistema de combate e gerenciamento baseado em menus que permite ao jogador equipar, curar e alterar a classe selecionada de cada personagem fora da batalha, além de salvar o progresso do jogagor.

As batalhas são tomadas principalmente em encontros aleatórios, scripts e chefes, enquanto percorre o mapa do mundo e dungeons. Os comandos de batalha apresentam um ataque físico básico com a(s) arma(s) equipada(s), comando de habilidades especiais (como magia) ativadas pelo sistema de classes e um conjunto de itens, embora o jogador também possa tentar fugir de muitos encontros normais.

O principal recurso da jogabilidade é o sistema de classes renovado de Final Fantasy III, permitindo que todos os membros do grupo dominem potencialmente até vinte e duas classes. O jogador começa como "Freelancer" e, quando viajam para novos locais de Cristal, a grupo adquire novas classes.

Uma forma separada de Experiência, ABP, é introduzida para o avanço dos níveis de classe dos personagens, enquanto eles continuam ganhando regularmente Pontos de Experiência. À medida que as classes aumentam, novas habilidades ficam disponíveis para o personagem usar em uma nova forma de personalização. O sistema introduz um método simplificado de "multi-classing", permitindo que cada personagem aprenda habilidades específicas e carregue uma ou duas quando mudar de classe. A natureza dessas habilidades varia; enquanto alguns servem como comandos em batalha, outros podem ser inatos à classe ou ativados automaticamente quando as condições são atendidas, como a habilidade "Caution" do Thief, que impede emboscadas de inimigos.

O grupo possui quatro estatísticas básicas: Força, Agilidade, Resistência e Magia, que são determinadas pelas estatísticas básicas do personagem e pelas estatísticas de sua classe atualmente equipadas. Por exemplo, se Bartz for um Knight, sua Força será sua estatística base (4) mais a estatística base do Knight (47). Certas habilidades também garantem um aumento de Magia (por exemplo, se um Monk tiver White Magic equipada, a White Magic aumentará seu status de Magia, melhorar sua capacidade de curar). O maior dos dois valores é usado. Quando uma classe é dominada, seu aumento de estatísticas será transferido para o Freelancer e Mime, significando que as estatísticas do Freelancer e do Mime serão as estatísticas mais altas de qualquer classe depois de todas serem dominadas.

O sistema é uma versão aprimorada daquela em Final Fantasy III; várias classes antigas foram reutilizadas ou refeitas para Final Fantasy V. As novas classes que foram introduzidas tornaram-se classes estáveis na série, como o Blue Mage, Time Mage, Mystic Knight, Berserker, Samurai, Dancer, Chemist, e Mime.

Missões secundárias vêm de interações com o próprio mundo, como caça, invocação de masmorras, domínio de piano, superação de desafios específicos e descoberta de novos locais. Com o sistema de classes, permite maneiras únicas de aprender habilidades.

As inovações de batalha incluem retrabalhar o sistema Active Time Battle, para que o jogador pudesse, pela primeira vez na série Final Fantasy, ver quem viria a seguir. Monstros pela primeira vez estão em um sistema fila semelhante ao grupo. Final Fantasy V também é o primeiro jogo da série a ter uma classe de equipamento chamada "acessórios", embora permaneçam semelhantes às peças de armadura usadas em Final Fantasy IV. Desde Final Fantasy V, o tipo de equipamento de acessórios tornou-se um grampo como um tipo de equipamento que qualquer membro do grupo geralmente pode usar que fornece habilidades passivas.

Sinopse Editar

Personagens Editar

Amano FFVGroupChar

O jogo é estrelado por uma equipe de cinco personagens únicos. Os quatro iniciais permanecem juntos por grande parte do jogo, até que um seja substituído.

  • Bartz Klauser (Butz em japonês) é um aventureiro que se envolve na aventura quando se depara com o local da queda de um meteorito com Boko, seu chocobo, e conhece Lenna.
  • Lenna Charlotte Tycoon (Reina na versão PS em inglês) a filha do Rei Tycoon. Ela conhece Bartz após deixar o castelo para procurar pelo seu pai.
  • Galuf Halm Baldesion é um velho misterioso com amnésia encontrado inconsciente no local da queda do meteorito. Ele se lembra de apenas duas coisas: seu nome, e que ele precisa ir para o Santuário do Vento.
  • Faris Scherwiz é uma capitã pirata que o grupo encontra quando tenta entrar furtivamente a bordo de seu navio.
  • Krile Mayer Baldesion é a neta de Galuf que ajuda a grupo várias vezes.

Ambientação Editar

Fogo, Água, Vento, Terra. A paz e a prosperidade do mundo são graças ao poder desses cristais. No entanto... esse poder está chegando ao limite. Se aproxima o dia em que o vento diminui... a água se acalma... e a terra estremece... e ainda assim, todos permanecem alegremente inconscientes... e o segredo escondido dentro dos cristais permanece incontável...
—Introdução

O mundo consiste em dois grandes continentes principais a leste e oeste. Reinos e cidades florescem pelo poder de seus respectivos cristais. Wind drake e navios servem como meio de comércio e transporte. Os três reinos proeminentes deste mundo, Tycoon, Walse e Karnak, cada um protege um cristal do elemento que dizem abençoar suas terras. O quarto cristal foi escondido por uma civilização antiga e seu paradeiro é desconhecido.

Desenvolvimento Editar

Hironobu Sakaguchi e Yoshinori Kitase trabalharam juntos pela primeira vez em Final Fantasy V. Posteriormente, Kitase resumiu a experiência desta forma:

O Sr. Sakaguchi e eu revezamos ao trabalhar nos eventos do jogo, então, quando íamos trabalhar, a primeira coisa que faríamos é verificar os arquivos que o outro adicionou para dar a continuidade. Víamos o trabalho um do outro e pensávamos 'Farei algo ainda melhor!' em uma espécie de competição.[2]

Hironobu Sakaguchi foi o responsável pelo design geral enquanto todos os outros colocavam suas ideias em cadernos. Tetsuya Nomura, cujo primeiro grande envolvimento com Final Fantasy foi com Final Fantasy V, tinha classes em mente, como um ninja com um cachorro, um jogador que lutava com dados e cartas, entre outros. Os outros funcionários digitavam suas ideias em computadores, mas para ter mais impacto, Nomura escreveu notas manuscritas e incluiu desenhos. Depois de um tempo, sempre que era hora de entregar os cadernos, Sakaguchi e Kitase pediam especialmente o de Nomura. As ideias de Nomura de um ninja com um cachorro e um apostador não foram usadas em Final Fantasy V, mas foram aproveitadas em Final Fantasy VI, sendo usadas para Shadow e Setzer.[3]

Sakaguchi disse que às vezes os RPGs forçam muitas imagens e sons nos jogadores, roubando-lhes a sensação de controle e, para evitar essas respostas, a Square fez uma extensa pesquisa durante Final Fantasy V e VI para saber como para fazer os jogadores se sentirem interativamente envolvidos no jogo enquanto atualizam os efeitos visuais e sonoros.[4]

FF5 trans compare

O japonês original está à esquerda; A tradução de RPGe está à direita.

A versão original do Super Famicom nunca foi lançada na América do Norte. Como o tradutor Ted Woolsey explicou em uma entrevista de 1994, "não era acessível o suficiente para um jogador casual". Planos foram feitos para lançar o jogo em 1995 como Final Fantasy Extreme, visando "os jogadores mais experientes que amavam a construção complexa de personagens", mas isso nunca se materializou. Woolsey tinha quase todo o jogo traduzido, mas a Square optou por não enviá-lo porque não sentia que o mercado dos EUA estava pronto para um segundo RPG emblemático depois de Final Fantasy II (lançado como Final Fantasy IV no Japão) e eles sentiram que precisavam de algo a mais para treinar as pessoas nesse estilo de jogo; esta visão se tornaria Final Fantasy Mystic Quest.[5]

Em 1997, o estúdio de videogame Top Dog foi contratado pela Square para portar o jogo original do Super Famicom para computadores pessoais baseados no Microsoft Windows para lançamento na América do Norte. Embora boa parte do jogo tenha sido concluída, no final das contas, os problemas de comunicação entre o Top Dog e as filiais japonesas e americanas da Square levaram ao fim do projeto.[6] A tradução passou a ser a base para o lançamento do PlayStation. Durante o mesmo ano, um patch de tradução de fãs em inglês para a imagem ROM de Final Fantasy V foi lançado na internet pela RPGe. O lançamento foi bem recebido e, até 1999, era a única versão amplamente disponível em inglês do jogo. A tradução de Final Fantasy V da RPGe foi um dos primeiros grandes projetos de tradução por fãs.

Lançamentos Editar

FFV SFC cover

Super Famicom Editar

O jogo original em japonês foi lançado apenas em 6 de dezembro de 1992.

PlayStation Editar

Em 1999, uma compilação para PlayStation Final Fantasy Anthology foi lançada, que inclui Final Fantasy V. Alguns nomes foram interpretados de forma diferente, como por exemplo resultando de "Butz" na tradução por fãs para "Bartz" na oficial. Em 2002, esta versão de Final Fantasy V foi lançada na Europa e Austrália (junto com Final Fantasy IV). Alguns fãs ficaram insatisfeitos com as traduções dos diálogos, principalmente o "sotaque pirata" de Faris, que não fazia parte do roteiro original. Quando jogado no PlayStation 2, o gráfico de emulação falha na tela de salvamento, embora os gráficos sejam restaurados no mapa do mundo. Este erro faz com que o jogo trave no PlayStation 3 e no PlayStation Portable. Este bug não está presente nas versões PAL ou Greatest Hits do Final Fantasy Anthology.

Game Boy Advance Editar

FFV Advance Logo

Uma versão de Final Fantasy V para dispositivos portáteis foi considerada pela Square (agora Square Enix) no início de 2001, mas o projeto falhou devido à ausência de uma plataforma apropriada; o WonderSwan Color não era poderoso o suficiente para rodar o jogo, e a Nintendo não permitiu que a Square desenvolvesse no Game Boy Advance, apesar do desejo de Hironobu Sakaguchi.

Anos mais tarde, depois que as relações entre a Square e a Nintendo melhoraram, o jogo foi portado com sucesso para o Game Boy Advance sob o título Final Fantasy V Advance, e foi lançado na América do Norte em 6 de novembro de 2006. Alterações feitas das versões anteriores são ajustes gráficos e uma nova tradução, quatro classes adicionais, um bestiário, uma função de salvamento rápido, reprodutor de música e um novo Calabouço de 30 andares. Ao contrário da versão Advance de Final Fantasy IV, alguns dos bugs de Final Fantasy V foram corrigidos. Também não há muita instabilidade e lag nos gráficos.

Virtual Console Editar

Em 18 de janeiro de 2011, um porte da versão original do Super Famicom de Final Fantasy V foi lançado para o serviço Virtual Console do Wii, mas apenas no Japão.

PlayStation Network Editar

Um porte da versão PlayStation de Final Fantasy V foi lançado para PlayStation Network no Japão em 6 de abril de 2011, na Europa em 13 de abril e na América do Norte em 22 de novembro de 2011.

Mobile Editar

FFV iOS Battle

A versão mobile de Final Fantasy V.

Em 28 de março de 2013, um remaster do iOS foi lançado mundialmente e a versão Android em 26 de setembro de 2013. O jogo é baseado na versão Game Boy Advance e, portanto, inclui todos os seus conteúdo bônus. Ele teve os gráficos atualizados junto com novos retratos no menu. Os gráficos são semelhantes aos de Final Fantasy Dimensions. A música tem a qualidade da versão original do Super Famicom, tirando os efeitos sonoros, que foram remasterizados. O jogo agora inclui conquistas.

Por causa dos avanços na tecnologia a Square foi capaz de armazenar os dados dos jogos a partir da era PlayStation, mas para os jogos originais de Nintendo e Super Nintendo eles não tinham os meios adequados para armazenar a produção. Para refazê-los, Square teve que refazer tudo. Esta é uma das razões pelas quais tudo na versão móvel é novo.[7]

A atualização da versão 1.0.2 adiciona uma opção para o movimento diagonal, onde os jogadores podem desligar o movimento em 8 direções e optar pelo o movimento tradicional de 4 direções.

Em 22 de outubro de 2014, as versões iOS e Android receberam uma atualização que inclui novos recursos, como suporte para gamepad, traduções para mais idiomas incluindo português e save na nuvem. Em 18 de setembro de 2015, a versão Amazon Appstore recebeu uma atualização que inclui suporte para Fire TV, bem como suporte para controlador adequado e economia na nuvem, e o tamanho do aplicativo foi reduzido de 250 MB para 150 MB.

O porte tem boas avaliações, com média de 4,5 estrelas no Google Play e 4 estrelas na Amazon Appstore.

Microsoft Windows (via Steam) Editar

FFV Steam

A versão mobile tornou-se disponível no Steam em 24 de setembro de 2015. O jogo suporta controle e vem com cartas colecionáveis da Steam e conquistas.

Requisitos de sistema Editar

Mínimo
OS Windows® Vista
Processador Intel® Pentium 4, 2.4 GHz
Memória 2 GB RAM
DirectX Versão 10

Cartas colecionáveis da Steam Editar

Final Fantasy V tem cinco cartas colecionáveis disponíveis.

Créditos de produção Editar

Produtor Hiroyuki Miura
Diretor Hironobu Sakaguchi
Produtores executivos (SFC) Tetsuo Mizuno, Hitoshi Takemura
Produtores executivos (GBA) Shinji Hashimoto
Design de imagem Yoshitaka Amano
Compositor de musica Nobuo Uematsu
Planejadores de cenário Yoshinori Kitase, Ikuya Dobashi
Planejadores de batalha Hiroyuki Itō, Akihiko Matsui
Programadores de batalha Kiyoshi Yoshii, Katsuhisa Higushi
Programadores de cenário Ken Narita
Gráficos de cenário Tetsuya Takahashi, Hideo Minaba
Gráficos de objetos Kazuko Shibuya, Hiromi Ito
Gráficos de batalha Masanori Hoshino, Tetsuya Nomura, Hiroshi Takai, Hirokatsu Sasaki
Programador de menu Shinichi Tanaka
Programador de som Minoru Akao
Programador visual Keizo Kokubo
Designer do mapa Kaori Tanaka, Yukiko Sasaki, Hidetoshi Kezuka
Efeitos sonoros Kenji Ito, Yasunori Mitsuda, Yoshihiko Maekawa
Assistente de teste Akiyoshi Ohta, Nobuyuki Ikeda, Mami Kawai
Tradução do inglês (GBA) Erin M. Ellis
Suporte de localização (GBA) Tom Slattery

Capas Editar

Galeria Editar

Curiosidades Editar

  • Em Final Fantasy I & II: Dawn of Souls, os chefes Atomos, Gilgamesh, Shinryu e Omega aparecem na masmorra bônus Lifespring Grotto do primeiro Final Fantasy.
  • Em Final Fantasy IV: The After Years, os mesmos quatro chefes aparecem como guardiões dos Cristais da Lua Verdadeira. Gilgamesh faz uma referência direta à sua origem perguntando por Bartz antes de morrer.
  • Final Fantasy V é o primeiro jogo de Final Fantasy ter duas irmãs como personagens jogáveis. É também o primeiro jogo em que a quantidade de mulheres superam os homens no grupo.

ReferênciasEditar

  1. Final Fantasy V on Amazon Appstore (Accessed: janeiro 11, 2020) at Amazon Appstore
  2. What Final Fantasy is, According to its Creator (Accessed: janeiro 11, 2020) at Kotaku
  3. How Final Fantasy V Was A Turning Point In Tetsuya Nomura’s Career (Accessed: janeiro 11, 2020) at Siliconera
  4. Hironobu Sakaguchi / Final Fantasy VII - Squaresoft Collector's Video 1997
  5. Transcript of Ted Woolsey interview (Accessed: janeiro 11, 2020) at Player One Podcast forums
  6. Final Fantasy V On Windows 95 (Interview) (página fora do ar) em WarMECH's Domain
  7. What’s The Difference Between Making Final Fantasy Now And 20 Years Ago? (Accessed: janeiro 11, 2020) at Siliconera
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.